Dia Internacional da Mulher: dez maiores problemas para a saúde das mulheres

No Dia Internacional da Mulher, convidamos todas as pessoas a refletir e agir pela saúde das mulheres. Recomendamos a leitura do texto da Dra Flávia Bustreo, Diretora Geral Adjunta para a Saúde da Família, Mulher e da Criança, publicado no site da OMS (Organização Mundial da Saúde) em 2015.

dia-da-mulher

 

Segue a tradução livre:

Percorremos um longo caminho desde 1995 – e é hora de comemorar as mulheres e suas realizações. Mas também é hora de fazer um balanço de como os direitos das mulheres sejam cumpridos no mundo –especialmente o direito à saúde. Vinte anos depois de os países assinaram compromissos na Declaração de Pequim de 1995 e Plataforma de Ação, as mulheres ainda enfrentam muitos problemas de saúde e devemos voltar a nos comprometer a enfrentá-los.

Aqui estão dez das principais questões relacionadas com a saúde das mulheres que me mantêm acordada à noite:
1. Câncer: dois dos tipos de câncer mais comuns que afetam as mulheres são de mama e câncer do colo do útero. A detecção precoce desses dois tipos de câncer é a chave para manter as mulheres vivas e saudáveis. Os últimos números globais mostram que cerca de meio milhão de mulheres morrem de câncer de colo de útero e meio milhão de câncer de mama a cada ano. A grande maioria destas mortes ocorrem em países de baixa e média renda, onde o rastreamento, prevenção e tratamento são quase inexistentes, e que a vacinação contra o vírus do papiloma humano precisa ser implementada.

2. Saúde Reprodutiva: problemas de saúde sexuais e reprodutivos são responsáveis ​​por um terço de problemas de saúde para as mulheres entre as idades de 15 e 44 anos. Sexo inseguro é um importante fator de risco – especialmente entre as mulheres e meninas em países em desenvolvimento. É por isso que é tão importante obter serviços para os 222 milhões de mulheres que não estão recebendo os serviços de contracepção que elas precisam.

3. Saúde Materna: muitas mulheres agora estão se beneficiando de grandes melhorias nos cuidados durante a gravidez e o parto introduzido no século passado. Mas esses benefícios não se estendem por toda parte e em 2013, quase 300 000 mulheres morreram devido a complicações na gravidez e no parto. A maioria destas mortes poderiam ter sido evitadas, caso tivessem acesso ao planejamento familiar e a outros serviços básicos.

4. HIV: em três décadas de epidemia de AIDS, são as mulheres jovens que carregam o peso de novas infecções pelo HIV. Muitas mulheres jovens ainda lutam para se proteger contra a transmissão sexual do HIV e para obter o tratamento de que necessitam. Isso também as torna particularmente vulneráveis ​​à tuberculose – uma das importantes causas de morte entre mulheres de 20-59 anos de baixa renda em países em desenvolvimento.

5. Infecções sexualmente transmissíveis: eu já mencionei a importância de proteger contra o HIV e o vírus do papiloma humano HPV- a DST mais comum no mundo. Mas também é vital para fazer um melhor trabalho de prevenção e tratamento de doenças como gonorréia, clamídia e sífilis. Sífilis não tratada é responsável por mais de 200.000 natimortos e mortes fetais precoces a cada ano, e pela morte de mais de 90 000 recém-nascidos.

6. Violência contra as mulheres: as mulheres podem estar sujeitas a uma gama de diferentes formas de violência, mas a violência física e sexual – por um parceiro ou outra pessoa – é particularmente odiosa. Hoje, um em cada três mulheres com menos de 50 anos foi vítima de violência física e / ou sexual por um parceiro, ou não-parceiro. A violência sexual afeta a sua saúde física e mental, a curto e longo prazo. É importante para os profissionais de saúde estejam alertas para a violência para que eles possam ajudar a evitá-la, bem como prestar apoio a pessoas que sofrem dela.

7. Saúde mental: evidências sugerem que as mulheres são mais propensas que os homens a sofrer de ansiedade, depressão e queixas somáticas – sintomas físicos que não podem ser explicadas por questões orgânicas. A depressão é o problema de saúde mental mais comum para as mulheres e suicídio é a principal causa de morte de mulheres com menos de 60. Ajudar sensibilizar as mulheres aos problemas de saúde mental, e dar-lhes a confiança para procurar ajuda, é vital.

8. Doenças não transmissíveis: Em 2012, cerca de 4,7 milhões de mulheres morreram de doenças não transmissíveis antes de chegarem à idade de 70 anos -principalmente em países de baixa e média renda. Elas morreram como resultado de acidentes, o uso nocivo do tabaco, abuso de álcool, drogas e obesidade – mais de 50% das mulheres têm excesso de peso na Europa e nas Américas. Ajudar as meninas e mulheres adotar estilos de vida saudáveis ​​desde o início é a chave para uma vida longa e saudável.

9. Adolescência: as adolescentes enfrentam uma série de desafios de saúde sexual e reprodutiva: DSTs, HIV e gravidez. Cerca de 13 milhões de meninas adolescentes (menores de 20) dão à luz todos os anos. Complicações desses gestações e parto são a principal causa de morte para as jovens mães. Muitos sofrem as consequências do aborto inseguro.

10. Envelhecimento: tendo trabalhado frequentemente em casa, as mulheres mais velhas podem ter menos pensões e benefícios, menos acesso a cuidados de saúde e serviços sociais do que os seus pares masculinos. Combine o maior risco de pobreza com outras condições de velhice, como a demência, e as mulheres mais velhas têm também um maior risco de abuso e geralmente, a saúde precária.

Quando eu penso nas mulheres e sua saúde em nível mundial, eu me lembro: o mundo tem feito muitos progressos nos últimos anos. Sabemos mais, e estamos mais aptos a aplicar o nosso conhecimento e a disponibilizar às jovens um bom começo na vida.

E tem havido um aumento no nível de vontade política – evidenciado, mais recentemente, na Estratégia Global do Secretário-Geral das Nações Unidas para a Mulher e Saúde da Criança. Utilização de serviços, especialmente aqueles para a saúde sexual e reprodutiva, têm aumentado em alguns países. Dois fatores importantes que influenciam a saúde das mulheres – ou seja, as taxas de escolarização para meninas e maior participação política das mulheres – subiram em muitas partes do mundo.

Mas não estamos lá ainda. Em 2015, em muitos países, “empoderamento das mulheres” continua a ser apenas um sonho, pouco mais de uma retórica adicionada ao discurso de um político. Muitas mulheres ainda estão perdendo a oportunidade de ter acesso à educação, de se sustentar e obter os serviços de saúde de que precisam, quando precisam deles.

É por isso que a OMS está trabalhando tão duro para fortalecer os sistemas de saúde e de garantir que os países têm sistemas de financiamento robustos e um número suficiente de profissionais de saúde bem treinados e motivados. É por isso que a OMS, com a ONU e parceiros do mundo, estão se unindo na Comissão da ONU sobre o Estatuto das Mulheres 9-20 março 2015 em Nova York. Vamos olhar novamente para compromissos assumidos na Declaração de Pequim de 1995 e Plataforma de Ação com vista a renovar o esforço global para eliminar as desigualdades que colocam os serviços de saúde decentes além do alcance de tantas mulheres.

E é por isso que a OMS e os seus parceiros estão desenvolvendo uma nova estratégia global para a saúde de mulheres, crianças e adolescentes, trabalhando para consagrar a saúde das mulheres de acordo com os objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU. Isso significa não apenas a definição de metas e indicadores, mas catalisar compromissos em termos de política, financiamento e ação, para assegurar que o futuro vai trazer saúde para todas as mulheres e meninas – quem quer que sejam, onde quer que vivam.

 

Texto original:

http://www.who.int/life-course/news/commentaries/2015-intl-womens-day/en/

_________________________________________________________

 

Artigos relacionados:

https://doutorrecomenda.com.br/blog/convite-especial-da-dra-patricia-varella-para-voce-em-homenagem-ao-dia-das-maes/

https://doutorrecomenda.com.br/blog/dicas-para-ter-uma-gestacao-segura-e-saudavel/

https://doutorrecomenda.com.br/blog/nodulos-da-tiroide-conheca-as-novas-recomendacoes/

 

Sobre o Doutor Recomenda

O Doutor Recomenda é uma plataforma multicanal (site e aplicativo) desenvolvida por médicos que permite que pacientes tenham o seu histórico médico em um único local e recebam recomendações de saúde de acordo com o seu perfil.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *